3 de ago de 2009

Pink Floyd:The Wall e a Educação...




CULTURA
Que lição tirar de Pink Floyd: The Wall?
A ópera-rock desconstrói os valores atribuídos à instituição escolar e expõe o conflito entre as necessidades particulares e coletivas

Educar

07/01/2009 11:45

Texto
Gabriel Navarro

Foto: Divulgação
Foto: A distopia retratada no filme chama a atenção para pequenos delitos
A distopia retratada no filme chama a atenção para pequenos delitos
----- PAGINA 01 -----

FILME: Pink Floyd: The Wall, dirigido por Alan Parker, com Bob Geldof, 1982.

A HISTÓRIA: Órfão de pai (morto durante a Segunda Guerra Mundial), o jovem Pink Floyd (Bob Geldof) tem a infância marcada pela perseguição de seu professor e pela superproteção da mãe. Adulto, ele se torna um astro do rock e entra em depressão. Para salvar sua consciência e a própria vida, Pink terá de lidar diretamente com os fantasmas do passado.

QUEM INDICA: A cineasta e vj da MTV Marina Person. “É uma obra que questiona a educação super-rígida e limitada à estrutura da sala de aula. Abre espaço para a contestação de valores ultrapassados”.

POR QUE VER: “É emocionante, uma grande lição de vida, redenção e fraternidade que leva o aluno a pensar, refletir e conscientizar-se frente às situações agressivas da vida. Para pais e professores, o contato com a dor, com as mazelas da humanidade é sempre um excelente recurso para a construção de vidas felizes e equilibradas”, justifica a coordenadora pedagógica Sueli Marchetti Zaparolli, do Colégio Luiza de Marillac, de São Paulo.

QUE BOM EXEMPLO TIRAR: “Buscar ver as coisas de modo diferente. Não aceitar padrões; repensá-los. Tentar perceber no mundo os padrões existentes e quais precisam ser quebrados para que as mudanças gerem ganhos sociais ou mesmo pessoais. Como o protagonista, o jovem hoje muitas vezes também é conduzido por forças que não conhece na sociedade de consumo. Ele acaba sendo induzido a comprar, a consumir, a pensar seguindo interesses específicos”, diz Leandro Alcerito, professor de biologia do Colégio Vértice, de São Paulo.


Fonte:http://educarparacrescer.abril.com.br/aprendizagem/the-wall-412773.shtml